Atenção! Quer ser Aprovado em Muitos Concursos Público? É fácil - Para saber mais: → Clique Aqui!


Obrigado pela visita! - Hoje é


Translate

domingo, 28 de agosto de 2016

Como se Preparar para o Exame Enem!

Como Devemos nos Preparar para as Provas do Exame ENEM?
Resolvemos publicar esse artigo, atendendo os pedidos de muitos candidatos e leitores que estão se preparando para as provas do exame ENEM que ocorrerão nos dias 05 e 06 de novembro deste ano. Esse processo seletivo vem se transformando no mais importante exame de acesso ao Ensino Superior e até mesmo para estes candidatos conseguirem descontos com as bolsas de estudos que são oferecidas por muitas faculdades e universidades brasileiras, inclusive para financiamento do curso numa universidade particular pelo programa FIES do governo federal. Se você quer fazer boas provas e assim conseguir uma ótima pontuação no ENEM, então saiba como se preparar adequadamente para esse importante exame seletivo. Infelizmente hoje muitos alunos saem do Ensino Médio, sem ter uma base sólida em conhecimentos gerais, principalmente nas disciplinas Língua Portuguesa e Matemática; e isso dificulta enormemente esses alunos nessa fase escolar, os quais muitas vezes têm de buscar apoio e auxílio em cursinhos preparatórios para sanar essa deficiência e falha da educação brasileira. Pretendemos com esse artigo, nortear o leitor sobre a preparação para esse exame, detalhando principalmente a prova de redação e Matemática, como veremos a seguir.

As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) são elaboradas por uma equipe do Ministério da Educação para verificar o domínio das competências e habilidades dos estudantes que concluíram o ensino médio e que pretendem ingressar no ensino superior em qualquer área do conhecimento. Esse exame é composto por quatro provas de múltipla escolha, com 45 questões cada, em que cada questão tem 5 alternativas, onde somente uma é a correta e mais uma quinta prova que é a redação, com critérios pré-definidos, em que cada ano um tema bem conhecido é escolhido para ser considerado e utilizado na dissertação. No último exame aplicado em 2015, as provas foram: Ciências Humanas e Suas Tecnologias, Ciências da Natureza e Suas Tecnologias, as quais foram aplicadas no primeiro dia do exame, enquanto que as provas: Redação e  de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias e finalmente Matemática e Suas Tecnologias foram aplicadas no dia posterior.  Se quiser baixar essas provas, inclusive o gabarito oficial, basta acessar o site do ENEM pela internet. 


Que Tipo de Redação é Cobrada no ENEM?






A redação do Enem é uma prova muito importante, pois se ela tiver uma nota baixa, vai proporcionar uma baixa pontuação e caso for zerada poderá inviabilizar todo trabalho de preparação neste tipo de exame. O tema proposto nessa prova é uma grande incógnita, pois ele somente será conhecido no momento de sua realização. É na redação que grande parte dos candidatos costumam ter muitas dificuldades e dessa forma eles podem conseguir uma nota, que tanto pode auxiliar caso tenha feito uma boa redação, assim como pode reduzir sua pontuação, inclusive causando até a eliminação, em caso de nota zero. Por isso preparamos uma matéria exclusiva, com muitas dicas e informações sobre a redação do ENEM. Assim você terá dicas importantes por onde começar a estudar e como se preparar para essa importante prova dissertativa. Mas, não pense que dissertar é escrever o que quiser sem nenhum planejamento e critério lógico coerente. É importante saber quantas linhas deve utilizar, para não escrever pouco ou ultrapassar os limites da escrita, assim como tratar o conteúdo de uma forma desorganizada sem utilizar da introdução, desenvolvimento e conclusão. A dica é que para qualquer redação, o assunto seja desenvolvido e compreendido utilizando-se entre 15 e 30 linhas, mas se tratando do Enem, qualquer redação com menos de 7 linhas é considerada inviável e pode ser zerada. Outra dica é que o autor deverá desenvolver sua ideia, utilizando por exemplo um problema ou um questionamento com uma consideração final que deve estar de acordo com os argumentos expostos. É viável também, que o estudante coloque no texto suas ideias favoráveis e contrárias para formalizar convenientemente sua dissertação. 

Segundo especialistas no assunto, a proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema proposto na prova, e que você somente ficará conhecendo no momento de sua realização. Por isso, recomendamos ler muito sobre os diversos temas e assuntos que estão sendo tratados pelas mídias no nosso cotidiano, como TV, jornais, revistas, internet, etc. Por exemplo, atualmente os assuntos mais comentados são: Os Jogos Olímpicos no Rio 2016, O Impeachment da presidente Dilma Roussef, As doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e Aedes albopictus, como o zika vírus, dengue, efeito estufa, a ecologia, a lei Maria da Penha de proteção as mulheres, entre outros. Na última redação cobrada no exame 2015, o tema foi "Violência contra a mulher". Mas, muitas vezes são cobrados temas mais polêmicos, como o aborto, a homofobia, etc. Se quiser conhecer todos temas que foram cobrados nas redações anteriores, com comentários detalhados deste exame desde seu início, você poderá acessar nossa matéria: Temas Cobrados na Redação do Enem! e assim terá uma ideia dos assuntos que já foram cobrados nesse tipo de redação.


Esse gênero de texto dissertativo consiste em fazer a defesa de uma ideia bem fundamentada, usando de argumentos e explicações, com o objetivo central de convencer o examinador de seu ponto de vista, usando um vocabulário rico em detalhes e informações sobre o assunto, sempre usando uma linguagem formal coerente e sem erros ortográficos e obedecendo as regras e pontuações da língua portuguesa. Além disso, é conveniente saber dividir o texto em três partes distintas a saber:


1) Introdução: o aluno deve usá-la para marcar, de modo claro e objetivo, a sua tese;
2) Desenvolvimento do tema: Deverá ser usado para para fundamentar a tese através dos argumentos. Cada argumento deve ser desenvolvido e explicado em um parágrafo próprio. Lembrando também que não se deve trabalhar com apenas um argumento;
3) Conclusão: É a parte que finaliza o texto. É o local onde o aluno deve concluir seu argumento e colocar sua proposta ou solução para o problema exposto no tema em debate.


Na introdução, recomendamos ao candidato que contextualize o tema abordado e destaque seu ponto de vista. No desenvolvimento, ele deve apresentar os argumentos e informações detalhadas sobre o assunto que ele domine e conheça. É muito importante fazer a contextualização, usando um fato histórico conhecido, assim como a citação de alguma autoridade que tenha relacionamento com o tema tratado para enriquecer o texto, ou mesmo citar algumas fontes como leis, autores, artigos, órgãos, entre outros que estão relacionados com o assunto. Mas também é importante expor o seu ponto de vista. A tese que será defendida ao longo do texto deverá estar explícita na introdução. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar de citações, mas quando isso for considerado na redação sempre usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Outro detalhe é que a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir a redação, é necessário apresentar uma proposta com a solução ou intervenção que seja possível de ser realizada ou implementada.


Os erros mais comuns que são cometidos por muitos candidatos na redação é usar de termos inadequados, como vocabulário abreviado da internet, fugir ao tema, desrespeitar os direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo, escrever pouco ou se alongar demasiadamente no texto, cometer excessivamente erros ortográficos, que podem fazer o candidato perder pontuação ou até anular a prova.

A Prova de Matemática Cobrada no Enem!

Todas provas são importantes para conseguir sucesso nesse exame e assim realizar o sonho do acesso numa importante universidade, mas a prova que talvez seja a mais temida e que traga maires dificuldades ao candidato é a prova de Matemática e suas Tecnologias que é composta de 45 questões de múltipla escolha. Essa importante prova apresenta questões com vários níveis de dificuldade, e muitas perguntas que são consideradas complicadas são poucas e raras. No entanto, essa prova é composta usando dados em gráficos, tabelas, esquemas e alguns infogramas que devem ser interpretados pelo candidato com muita atenção e cuidado. Essa análise cuidadosa dos dados apresentados tem sido constante nessa prova, mas não é suficiente sem as aplicações de alguns conhecimentos específicos, pois o candidato, além de colher esses dados citados, deve aplicar conhecimentos desenvolvidos ao longo do ensino fundamental e médio para se dar bem e chegar aos resultados corretos. Quase 100% das perguntas englobam conteúdos desenvolvidos até o nono ano do Ensino Fundamental e primeiro ano do Ensino Médio, sendo que excepcionalmente podem surgir questões como logaritmos, números complexos, que são estudas no ensino médio, mas que não devem ser descartadas. 
Os principais assuntos e conteúdos que são cobrados nessa prova são: 

a) Conhecimentos das operações e dos conjuntos numéricos: conjunto dos naturais, inteiros, racionais e reais, saber desigualdades, divisibilidade, fatoração, razões e proporções, porcentagem e juros, relações de dependência entre grandezas, sequências, progressões, e os princípios de contagem.


b) Ter conhecimentos geométricos: dominar as características das figuras geométricas planas e espaciais; as grandezas, unidades de medida e escalas; comprimentos, áreas e volumes; ângulos; posições de retas; simetrias de figuras planas ou espaciais; congruência e semelhança de triângulos; teorema de Tales; relações métricas nos triângulos; circunferências; trigonometria do triângulo retângulo.

c) Conhecimentos em estatística e probabilidade: representação e análise de dados; medidas de tendência central (médias, moda e mediana); desvios e variância; noções de probabilidade, conhecer e interpretar gráficos, tabelas, infográficos, etc.

d) Conhecimentos algébricos: assim como saber seus gráficos e funções; funções algébricas do 1.º e do 2.º graus, polinomiais, racionais, exponenciais e logarítmicas; equações e inequações; relações no ciclo trigonométrico e dominar as funções trigonométricas.

f) Conhecimentos algébricos e geométricos: conhecer o plano cartesiano; as retas; circunferências; paralelismo e perpendicularidade, sistemas de equações.

Exemplo de uma questão típica que pode ser cobrada no ENEM!

Vemos um gráfico de setores logo abaixo, que lembra uma pizza fatiada. O ângulo central de cada setor está relacionado com a frequência relativa de cada variável. A circunferência completa representa o ângulo 360º que corresponde a 100% da frequência relativa. Esse tipo de gráfico é bem simples e fácil de se entender, por isso é bastante utilizado nos meios de comunicação, como jornais, revistas, artigos acadêmicos, etc. Observe o gráfico destacado na figura que foi cobrado numa prova anterior do ENEM referente a uma pesquisa eleitoral:













A pergunta é qual o ângulo representado pelo setor referente ao candidato Brizola. Então, como já temos na legenda que o setor deste político representa 47% de toda circunferência, basta calcularmos a porcentagem: 47% de 360º. Isso pode ser feito utilizando-se uma simples regra de três, ou multiplicando diretamente o valor 0,47 por 360 que resulta em 169,2º.

Se quiser ter uma ideia do que normalmente é cobrado nessa prova, conhecendo algumas questões anteriormente cobradas, sugerimos acessar nosso artigo chamado: Revisão de Matemática  para o Exame Enem!

CONCLUSÃO!
Se você está se preparando para esse exame recomendamos planejar seus estudos antecipadamente, destinando algumas horas de estudos diários e usando de materiais de apoio, como livros, apostilas, cursinho de preparação, vídeos-aula, artigos como esse que acabamos de conhecer. Mas, também é muito importante manter-se atualizado dos fatos e assuntos que estão sendo tratados no Brasil e pelo mundo, pois isso poderá enriquecer sua redação como vimos nessa matéria. Para ter uma ideia de como fazer seu planejamento, assim como conhecer dicas das provas, acesse o post: Dicas sobre as Provas e Questões do Enem! e vai encontrar ideias e materiais importantes que vão ajudar nessa importante fase de estudos.
Aproveite todo material educativo e didático que já estão publicados nesse blog,  destinados à sua preparação neste exame, como problemas matemáticos, exercícios, testes, desafios, quebra-cabeças, entre outros, envolvendo principalmente o ensino fundamental e médio.
Se ficou dúvidas sobre o assunto, deixe um recado no espaço para comentários que teremos o maior prazer em elucidar. 

Atenção!
Ajude-nos a consolidar esse espaço educativo, tornando-se nosso seguidor e assim sempre vai receber nossos artigos gratuitamente e na comodidade de sua casa. 
Se gostou do artigo, divulgue aos amigos, usando os atalhos para as redes sociais presentes ao final do texto ou sugerindo nosso endereço aos mesmos.
Finalizando, agrademos o leitor pela atenção e apoio. Desejamos uma boa prova e muito obrigado! 
A Matemática Aqui é Simples e Descomplicada!





quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A Álgebra e a Física!

Por que Devemos Estudar Álgebra e Física?
É uma pergunta muito natural querer saber o motivo pelo qual devemos aprender Álgebra, Física e demais conteúdos escolares, ou onde vamos aplicar esses importantes conhecimentos. Muitos dizem equivocadamente que a Álgebra é "uma salada de letras e símbolos" de difícil entendimento.
Todo aprendizado de Matemática que antecede a álgebra, tais como as operações aritméticas de adição, multiplicação, decimais, frações e outras parecem ter um significado concreto, pois envolvem valores numéricos fáceis de se imaginar e até podemos contá-los. Todos estes conceitos que tratam com cálculos usando números ou valores, ocorre de alguma forma mais concreta, por isso nosso entendimento é de maior envolvimento na fixação destes conceitos. Por exemplo, eu posso comprar dez lápis e doar dois para um amigo e usando uma operação matemática simples de subtração posso chegar ao resultado, ou seja 10 - 2 = 8. Dessa forma descobrimos facilmente quantos lápis eu fiquei de posse após a doação. Em nosso cotidiano não é diferente, podemos imaginar inúmeras situações usando da matemática básica para fazer cálculos reais que usam o entendimento concreto e palpável, tais como calcular os gastos no supermercado, conferir o troco na padaria, aferir uma determinada taxa de juros no banco, etc.

Como os alunos nas séries iniciais aprendem conceitos básicos de matemática parece que aprender Álgebra seja um assunto muito complexo e desafiador principalmente no início, e pode ser que eles tenham alguma dificuldade inicial, pois fica um pouco confuso para as crianças quando os números são substituídos por letras como x, y, z, etc. Mas, quando usamos as letras para representar os números, estaremos fazendo as tais operações citadas de uma forma mais geral e abrangente, e é ai que surgiram as fórmulas que são usadas na Matemática, como as fórmulas de Matemática Financeira, a famosa fórmula de Bhaskara, entre tantas outras que conhecemos e que são tão importantes no estudo de matemática e da lógica, inclusive muitas são utilizadas até nos softwares dos computadores. 

O Desafio no Aprendizado Inicial de Álgebra!






Não tenha dúvida de que o estudo de Álgebra é muito desafiador, pois começamos a lidar não só com os nossos números de entendimento confortável, mas também usando agora as letras. Com a álgebra surge os parênteses, expoentes, e toda uma miscelânea de outros símbolos que não parecem muito familiar e que podem a princípio não fazer sentido. Estes fatos relacionados, mais do que qualquer outra matéria, assusta e transforma equivocadamente o sentimento de muitas pessoas a não desejarem o aprendizado de álgebra.
Inicialmente todo aluno deve aprender certas regras sobre as múltiplas formas de calcular usando os vários símbolos algébricos. Surgem as equações, inequações, funções, fórmulas de apoio, etc.  Devemos certamente seguir uma sequência lógica de aprendizado e saber quais passos são adequados para aprender antes de outros, e se você fazê-los na ordem inversa pode encontrar dificuldades e seguir um caminho errado e assim pode leva-lo à frustração. Com a frustração, surge o desespero que vem em seguida. 
E assim, certos pensamentos negativos começam a surgir em forma de perguntas com questionamentos do tipo:

"Por que eu preciso aprender isso?"
"Onde eu iria usar a Álgebra na vida real?"

O que você tem que lembrar é que a matemática básica também é cheia de regras e símbolos especiais. Por exemplo, os símbolos "+", "-", "÷", "x" e "=" também eram estranhos para todos nós, antes de conhecê-los profundamente. Veja como o conceito de adição de frações, como um único exemplo, é preenchido com regras especiais que temos de aprender. Por exemplo, ao adicionar 1/3 a 1/3,  você deve manter o denominador comum e adicionar os numeradores, de modo que 1/3 + 1/3 = 2/3. O correto é que, quando começamos a aprender álgebra, não vai ser muito diferente da multidão de regras que aprendemos, quando vimos anteriormente a Matemática Básica, assim como as tão importantes operações de adição, subtração, divisão e multiplicação.

Aprender álgebra deve ser um caminho viável para todos, pois só precisamos aprender, dando um passo de cada vez e fixar as regras básicas, antes de passar para os tópicos mais avançados. Contudo, o que responder para a pergunta "Por que eu deveria aprender álgebra?" Esta é uma pergunta difícil, mas a resposta mais simples é que a álgebra seria o começo de uma jornada que lhe dará as habilidades para resolver os problemas mais complexos.

Que tipos de problemas de Física podemos resolver usando apenas as habilidades de Álgebra?
Considere sua visita a um parque de diversões, encontrando ali diversos brinquedos, como a gangorra, roda gigante, escorregador slide, etc. Para nossa surpresa informamos que a física está presente em todos esses brinquedos e pode ser completamente compreendida usando apenas os conceitos de Álgebra. Para isso, nenhum cálculo é necessário. Por exemplo, se você soubesse o peso de uma pessoa no topo de um escorregador e soubesse qual é a altura do mesmo, você poderia calcular aproximadamente o tempo, ou quão rápido estaria viajando e terminando esta aventura quando chegar ao fundo do escorregador.

Na gangorra, digamos que uma pessoa esteja sentada em uma extremidade e sabendo o peso desta pessoa. Então, poderíamos nos sentar do outro lado da gangorra, mas não no final, ou seja nos sentar em frente do nosso parceiro, no meio, entre o banco e o ponto de pivô para manter o equilíbrio no brinquedo. Usando álgebra, podemos calcular o quão pesado você tem que ser para equilibrar exatamente essa gangorra.

Existe muitos outros exemplos que visualizamos todos os dias, para entendermos completamente o tema, usando apenas as ferramentas ensinadas pela álgebra. Por exemplo, se você deixar cair uma pedra de cima do telhado de uma casa, quanto tempo que seria necessário para atingir o chão? Se você deixou cair uma segunda pedra 100 vezes mais pesada do telhado da mesma casa, quanto tempo que seria necessário para agora atingir o chão?  A resposta em todos os casos, é que leva a mesma quantidade de tempo para essa pedra bater no chão! O tempo de queda livre depende apenas do campo gravitacional da Terra (que é o mesmo para todos) e a altura do telhado é a que pode variar para cair a partir dela. Mesmo que as pedras tenham pesos distintos, todas elas caem à mesma velocidade para o chão. 

A Dilatação do Tempo Discutida por Einstein e a Álgebra!
A maioria das pessoas diria que aprender sobre tópicos mais "avançados", como a propulsão de foguetes e a teoria da relatividade de Einstein exigiria uma matemática muito mais avançada do que a álgebra. É verdade que isso exige tópicos mais avançados, pois é necessário compreender todas as facetas destes e outros conteúdos distintos. No entanto, muitos dos princípios fundamentais pode ser entendido, usando apenas as ferramentas de álgebra. Por exemplo, as equações que descrevem como uma nave espacial orbita a Terra envolvem apenas cálculos algébricos. 
Além disso, muitos dos tópicos centrais da teoria da relatividade especial de Einstein pode ser entendida, usando apenas conceitos de álgebra. 

Por exemplo, se você estiver viajando em uma nave espacial, se deslocando próximo da velocidade da luz, o passamento do tempo seria retardado em relação a seus amigos presentes na Terra. Em outras palavras, se você fosse voar em uma nave espacial, perto da velocidade da luz, por algum tempo e então retornando à Terra, você ia achar que teria envelhecido muito pouco, em relação aos seus amigos aqui na Terra e que poderia ter feito um grande negócio. Albert Einstein cunhou esse fenômeno de "dilatação do tempo" e que pode ser facilmente calculado utilizando apenas a Álgebra. Este efeito não é um efeito teórico e que foi realmente medido várias vezes. Na verdade, o sistema GPS de satélites no céu que as forças militares e policiais usam e dependem deles, deve levar em conta os efeitos da dilatação do tempo, ou então o sistema não funcionaria perfeitamente em tudo! Como os satélites estão se movendo em órbita em torno da Terra a velocidades muito menores do que a velocidade da luz, a dilatação do tempo envolvida é muito pequena, mas deve ser contabilizado para o perfeito funcionamento do sistema.

Agora, você pode estar pensando: "Eu nunca aprendi a calcular coisas como esta na minha aula de álgebra!" Isto é, de fato verdadeiro. Todas as aplicações que temos relatado aqui são conhecidos no estudo da Física. Se tivéssemos que definir a Física em poucas palavras, ela se resume em uma frase apenas: "Encontramos a física presente em todas coisas que existe em torno de nós, sendo que muitas podem ser descobertas usando a matemática como uma ferramenta de apoio."

Finalmente concluímos que a álgebra é um trampolim para aprender sobre esse maravilhoso universo em que vivemos. Com ela, você tem todas ferramentas necessárias para compreender todas coisas, inclusive ter as habilidades necessárias para continuar e aprender trigonometria e cálculo, que são essenciais para explorar outros tipos de problemas e fenômenos que nos rodeiam.  Então, tente não pensar em Álgebra como uma lista chata de regras e procedimentos para memorizar. Considere ela, como uma grande porta de entrada para explorar e entender o mundo ao seu redor.

CONCLUSÃO!
Resumidamente podemos definir a álgebra numa pequena frase: É o cálculo usando as variáveis e as incógnitas, entre outros símbolos da matemática ... Embora muitos alunos tenham dificuldades iniciais de entendimento deste assunto, vimos neste artigo que a Álgebra está profundamente ligada ao estudo de Física e que pode nos explicar tudo sobre o que se passa ao nosso redor e que, por isso seu estudo e entendimento deve ser totalmente integrado ao aprendizado escolar em todos os níveis do conhecimento.

Espero que tenham gostado do artigo e que o compartilhe com seus amigos e pares. Para isso, recomendamos usar os atalhos para as redes sociais que se encontram ao final do texto ou sugerir nosso endereço aos mesmos.

Atenção: 
a) Caso queira encontrar outros artigos sobre o tema, inclusive acompanhado de muitos exercícios com respostas comentadas, favor acessar nosso post chamado: Como resolver problemas de Álgebra?
b) Se ficou dúvidas sobre o conteúdo e quiser saber nossa opinião, deixe um comentário no espaço reservado para isso, também disponível ao final do artigo que vamos responder no menor prazo possível. Use este mesmo artifício para sugerir, criticar ou elogiar nosso site. Desde já, agradecemos pela visita e apoio. Muito obrigado!
A Matemática Aqui é Simples e Descomplicada!





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...